Eduardo Sá...vale a pena ir à pré?

De boas intenções está o Mundo cheio...este é um texto brilhante, se for mãe ou pai não o vai deixar indiferente!!

A questão aqui não são as crianças coitadinhas...a perspectiva é...não estamos a cometer excessos com esta nova vaga de miúscos
Quando vão estas crianças brincar? Ah espera têm que aproveitar...porque no meu tempo não existia nada disto...e afins...
Não serve de resposta, ainda hoje o meu filho disse que quer reduzir actividades e mesmo na escola..."quando vou ter tempo para brincar perguntou ele?"
Embora aqui a questão seja a pré-primária e os fazedores de super-miúdos...a outra questão acima não deixa de ser pertinente!!!


"A ideia foi defendida por Eduardo Sá no encontro “Vale a Pena ir à Pré”, uma iniciativa conjunta da Carlucci American International School of Lisbon (CAISL) e da revista Pais&filhos destinada a debater e esclarecer o valor do ensino pré-escolar na educação de uma criança.

Eduardo Sá, que começou por manifestar o seu desacordo pela “distinção que é feita entre educação infantil e ensino obrigatório”, considerou depois que ainda existem alguns “erros” nos moldes em que, por vezes, o ensino pré-escolar é praticado.

“O jardim de infância não é para aprender a ler nem a escrever”, criticou, lembrando que “as crianças antes de aprender a ler, aprendem a interpretar “ e que “não é por tornarmos uma criança um macaquinho de imitação que ela vai ser mais inteligente”. Eduardo Sá, psicólogo clínico com grande parte da sua carreira dedicada à psicologia infantil, defendeu que o jardim de infância deve antes ser um local onde a criança exerça atividade física pois, justificou, “as crianças aprendem a pensar com o corpo” e se souberem mexer o corpo “mais expressivas serão em termos verbais”.

Além disso, prosseguiu, o jardim de infância deve ser um local para a criança receber educação musical (“a música torna-os mais fluentes na língua materna”) e educação visual (“quanto mais educação visual tiverem, menos dificuldades têm de ortografia”). Por outro lado, disse ainda, as crianças precisam de “contar e ouvir histórias” no jardim de infância, sublinhando que “as histórias ajudam a pensar” e a “linguagem simbólica a arrumar os pensamentos”.



Mas, mais que tudo isso, o jardim de infância deve ser um espaço para a criança brincar. A brincadeira é um “património da humanidade” que a ajuda “a pensar em tempo real e a resolver dificuldades”, salientou o psicólogo, sublinhando que “brincar não pode ser uma atividade de fim de semana” nem os espaços para brincar podem estar confinados a pátios fechados. “É obrigatório que as crianças brinquem na rua”, defendeu.

Em suma, concluiu, “o jardim de infância faz bem à saúde” e é urgente que seja “acarinhado”. Sob pena de virmos a pagar no futuro “custos exorbitantes” por tal esquecimento."

in pais e filhos



Siga a Profissão Mãe nas Redes Sociais

Icon IconIconFollow Me on Pintereststumbleupon linkedin

ASSINE A NEWSLETTER DA MÃE!!! CONTEÚDO EXCLUSIVO!!! 
PASSATEMPOS PARA ASSINANTES!!E OUTRAS SURPRESAS!!!
BREVEMENTE!!!
Coloque o seu Email:

Delivered by FeedBurner

Share this:

Comente

0 Profissão Mães Comentaram!!!:

Enviar um comentário

Desabafe o que lhe vai na Alma!