Otorrinolaringologista! Adenoides e restantes parentes!


Hoje era dia da consulta no Otorrino, uma rotina que eu e o Jonas já estamos habituados, pelo menos 2 a 3 vezes por ano! Melhorou muito!
Podem ler sobre os adenoides aqui.

Resumo a História do Jonas aqui
O Jonas depois dos 2 anos, mais ou menos a altura em que deixou de mamar e nos mudámos para o campo (coincidência ou não, pois nada está provado!!) começou a ter algumas reacções alérgicas alimentares: ovos, tomates, frutos secos etc.

Todo o cuidado era pouco ao ponto dele já perguntar como era a comida feita na pré, ir a festas de aniversário e perguntar se os bolos tinham recheio de ovo, ou até mesmo vomitar com uma simples mousse de chocolate.
As únicas tabletes  que podia comer na altura eram da marca Kinder, sem frutos secos...nem vestígios de nada.
Começou a ir ao Alergologista foi seguido pelo drº José Costa Trindade, na altura tinha muitos ataques de borbulhas e uma espécie de falta de ar, principalmente na Primavera. O Inverno passava todo intupido e doente com gripes e otites.
Desde flores, animais, árvores tudo fazia alergia...optamos também por ter consultas no Otorrino com o dr Dias Ferreira.
Estava sempre doente, a tomar antibióticos e ouvia muito mal...pois produzia uma quantidade de cera exagerada!
O alergologista não queria que ele fosse operado, o otorrino dizia que para ele melhorar isso tinha que acontecer, foi operado com quase 3 anos.
Eu não estava muito segura, era mãe de primeira viagem (apesar de procurar outras opiniões, de ler bastante sobre o assunto e falar muito com a nossa pediatra que era a drª Isabel Cordeiro), retiraram-lhe os adenoides, as amígdalas e colocaram tubinhos nos ouvidos.
A operação no hospital Santo António ainda com o seguro pago pela PTacs parecia ter sido um sucesso, o verão estava arruinado sem a hipótese de ir a banhos, o míusco sofreu um bocadito!
O pós operatório era horrível ficou a detestar gelados durante mt tempo.
As otites tinham acabado, a gripe também e ele respirava normalmente. Dormindo sem apneias.

Mas..passado um ano tudo voltou ao mesmo.

Retiramos qualquer vestígio de animais de dentro de casa e arredores, comecei a ter mais cuidados em casa por causa do pó, roupas e afins...e foi um tormento, falavam  em retira-lhe novamente os adenoides que tinham crescido já tínhamos outra drª a Maria José Dias. Eu não estava disposta a que ele fizesse uma segunda operação, pesquisei bastante  e pedi uma segunda opinião, uma amiga da minha irmã, já reformada drª Deolinda ela decidiu dar-lhe um género de uma vacina. (falha-me aqui o nome...desculpem)
Teve a pior gripe de sempre, mas foi remédio santo, os adenoides diminuíram e ele melhorou...em 15 dias...1 mês! E ao fim de 3 meses estava melhor.
Não chegou a ser operado.

Piora em contacto com animais, pó, pinheiros...as alergias alimentares passaram, exceptuando os frutos secos.
Se corre falta-lhe o ar, já estamos agora com consulta no Hospital Santa Maria!

As consultas de rotina no Otorrino são mantidas pois o Jonas fabrica muita cera, talvez seja uma espécie de protecção que o corpo arranjou para se proteger dos agentes alérgenos...

Hoje a drª Maria José Dias estava contente, a cera tinha diminuído e passado de liquida e tipo pedregulhos...para apenas pequenas pedrinhas...mas abundantes!
Temos consulta marcada para Novembro para a próxima limpeza de ouvidos!

Para o alergologista vamos na próxima semana a Santa Maria repetir testes.

Se os vossos filhos tb tiverem este tipo de problemas, enviem-me a contar o vosso testemunho!
Grata pela vossa partilha e leitura do post!


                                   

Coloque o seu Email:

Delivered by FeedBurner

Share this:

CONVERSATION

8 Profissão Mães Comentaram!!!:

  1. O filho da minha vizinha também sofreu um bocado com isso.
    As melhoras do seu menino.

    ResponderEliminar
  2. Princesa, calma, muita calma... Tudo vai correr bem. Pode ser que até passe com a mudança de idade.
    As alergias temos de aprender a viver com elas, o resto vai, com certeza, passar ou pelo menos melhorar com o tempo.
    As melhoras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Calma é o meu nome do meio...ahahahaha
      Chuac Marquesa

      Eliminar
  3. Ele não terá outra alergia alimentar que não saibam? Há alergias, que são não IGe mas por outro mecanismo exclusivo do sistema digestivo, que não são detectadas pelos testes que se fazem normalmente em Portugal (há apenas estudos experimentais nos EUA), mas que são devastadoras se não se evitar esse alimento. Fazem problemas intestinais (mas normalmente as pessoas estão tão habituadas que pensam que é o normal), as famosas dermatites atópicas (que agora alguns dermatologistas já começam a ligar aos alimentos), e entupimentos em geral (que depois levam a doenças).
    Quando tinha 17 anos e me mudei para o pinhal, comecei a ter sempre a garganta inchada com dificuldade a engolir, otites frequentes, imensos problemas de estômago (que não foram ajudados por ter começado a faculdade). Foi a um otorrino com 19/20 anos que disse que eu tinha os seios perinasais entupidos (e que tal era normal se me tinha mudado para o pinhal, que tinha muitos bons novos clientes na mesma situação), recomendou-me um tratamento com uns corticoides durante 2 meses que de facto ajudou, como desinchou não tive otites durante alguns anos. Quando fiquei grávida com 25 anos foi horrível, estava sempre a vomitar, o que só parou com medicamentos diários, ao longo da gravidez tive 2 otites, faringites de novo, tive uma apendicite às 20 semanas.
    A minha filha nasceu e estava sempre a chorar e aos 2 meses começou a ter vomito projectado e só mamava um pouco de cada vez, começou a crescer menos do que devia, tinha problemas de pele, o pediatra não fazia nada. Felizmente comprava muitas coisas da amazon e li um livro de um gastro pediátrico americano e cheguei à conclusão que seria alergia ao leite, deixei de beber quando ela tinha 7 meses e passado 3 dias era um bebé novo. Tudo fazia sentido, a razão porque ela se recusava a comer papas (só comia fruta e sopa), porque tinha a dermatite. Normalmente quando os bebés são amamentados é mais difícil de detectar a alergia, porque o que lhes chega é pouco e depende da quantidade que a mãe comeu. Os testes de alergia não deram nada, mas por esta altura já não queria saber de médicos e sem leite na nossa dieta tudo ficou bem (aos 13 meses foi confirmado com um teste alimentar, com 6ml misturados no leite de soja dela ela começou a recusar e ficou com manchas na cara e na zona da fralda quando fez chichi).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo seu testemunho Teresa, lá está as mães têm que investigar por elas muitas vezes...
      Para já só conheço estas alergias, uma amiga falou-me realmente nos testes alimentares que já se consegue saber a 100% e custam no privado 300€. Vou ter consulta esta semana no Santa Maria e vou indagar a possibilidade de eu e o miúsco fazermos isso...

      Eliminar
  4. O que não espera era que, sem eu beber leite, deixei de ter problemas de estômago, problemas intestinais, aftas, pele seca e comichões estranhas de vez em quando, suar muito, e claro, seios perinasais entupidos e consequentes otites. Entretanto já sei que também tenho problemas com alguns tipos de babanas e de maças, ananás, kiwis, pepino, carne de vaca, pimenta e alho, porque como estou bem detecto logo quando alguma coisa me fez um bocadinho de mal. Algumas destas coisas fazem-me logo aftas, algumas (o leite nomeadamente) fazem com que fique logo com o nariz um pouco entupido. Todas me fazem mal em termos intestinais. Ainda continuo a ter alergias ambientais a alguns pólens, que apareceram por me ter mudado para o pinhal (entretanto mudámo-nos para o interior, na zona da Serra da Estrela, onde a época de alergias é mais tarde mais também tem efeito), que precisam que tome um anti-histaminico ocasional e que ficam imensamente pior se não tiver cuidado e comer alguma coisa com um dos meus alergénos (aconteceu há um mês com o leite e este fim de semana com uma salada de frutas com ananás enlatado...)
    As minhas filhas, a mais velha (4 anos) tinha alergia logo visível na cara aos morangos (que, por termos evitado completamente, já passou), e continua a ter ao leite e menos visível às mesmas maças (mas com sumo de maça é bem visível e fica com diarreia durante uns dias), às mesmas bananas (mas menos do que eu), o ananás faz-lhe pior que a mim, carne de vaca, à pimenta (com esta foi ficando pior, quando era mais pequena adorava leitão e agora um bocadinho faz-lhe mal à barriga) e à gema de ovo.
    A mais nova (3 anos) tem alergia bem visível ao leite e às mesmas bananas, e menos visível às mesmas maças, kiwis, carne de vaca, alho (se alguma coisa tiver sabemos por ela, põe na boca um pedaço e não come mais) e pimenta, à gema de ovo e é possível que tenha um problema com alguns melões (ainda estamos em dúvida).
    Qual a grande questão nisto? Primeiro, é demasiada coincidência sermos alérgicas em geral às mesmas coisas. In utero ou da amamentação, passou para elas (comi muitos morangos na gravidez da mais velha, infelizmente não bebi leite mas comi chocolate com leite na gravidez da segunda).
    Depois, eu nunca soube que os meus problemas eram do leite, não tinha choques anafiláticos, tinha só acidez a mais, garganta inflamada (que piorava com o refluxo ácido), ocasionalmente problemas de pele, e a parte de trás do nariz sempre inchada e com muco. Agora sem leite, tudo isso passou. Nunca percebi que os outros alimentos eram um problema, porque estava tudo tão mal que era só mais um bocadinho.
    Nenhuma das nossas alergias foi detectada pelos testes dos alergologistas.
    No inverno do ano passado as minhas filhas começaram o infantário, por acidente deram-lhes logo coisas com leite na primeira semana, o que combinado com as muitas doenças que andam por lá, deram um inverno horrível com tosse durante meses e uma otite terrível (não detectada no hospital do interior em que vivemos) que só passou com muitos medicamentos depois da consulta com um otorrino (bom) da CUF Descobertas. Não voltaram ao infantário, estão em casa, o otorrino dizia que iam ter muitos problemas e que iam ter que tomar medicamentos a partir de setembro, a verdade é que, desde então, tiveram só uma má gripe em Dezembro que deu tosse alérgica muito má à mais nova e medianamente má à mais velha, e depois nunca mais estiveram doentes.
    É importante dizer que, nesta altura, comiam um doce de maça que sempre comeram que foi eliminado em Janeiro. É assim a vida com alergias alimentares, um jogo de sorte e experimentação.
    Se ele já teve mais alergias alimentares e ainda tem alguma, seria interessante averiguar se os sintomas de alergias ambientais melhoram com a retirada de algum alimento chave (deve deixar-se pelo menos 1 semana, e até 3 semanas, para passarem todos os sintomas).
    Boa sorte :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Teresa tb moro no interior! Estou a pensar mudar de Otorrino novamente...
      Os infantários e escolas são antros de doenças :(
      Eu já fiz algumas experiências com alimentos e para já só me apercebi destes...mas a grande alergia é sem dúvida animais(penas, pelos), pólens e flores tb...
      Obrigada pela partilha!
      Um beijinho e bom resto de domingo

      Eliminar

Desabafe o que lhe vai na Alma!